RUZIZIENSIS

Ruziziensis

INDICAÇÃO

A ruziziensis pode ser indicada para bovinos de recria e engorda. Devido a sua qualidade de forragem, além do pastejo direto, pode ser utilizada para prática de fenação. Quando em pastejo direto, deve-se ter muito cuidado, com a altura de pastejo, evitando a sua degradação.

Devido a algumas características, a ruziziensis, deixou de ser utilizada pelos pecuaristas, principalmente a sua susceptibilidade às cigarrinhas e a baixa capacidade de rebrota, principalmente quando superpastejada.

Porém, devido a grande capacidade de germinação de suas sementes, principalmente em sobressemeadura, ou seja, plantio em área com outros cultivos (exemplo: em área de soja) e sobre uma cobertura vegetal (palhada para plantio direto), as suas sementes tem sido recomendada por vários técnicos em áreas de plantio direto e em áreas de integração lavoura-pecuária. Diversos agricultores têm utilizado as sementes de ruziziensis, em áreas de cultivo de soja, para cobertura vegetal no período de entressafra da cultura e como pasto para o inverno, mesmo antes da 28 colheita do grão, nos meses de fevereiro e março, utilizando o plantio aéreo, com bons resultados.

A forrageira proporciona excelente cobertura do solo, podendo ser utilizado a área como piquete para os animais durante o período de inverno (entressafra da cultura de soja), e em setembro-outubro as plantas de ruziziensis são “queimadas” com um herbicida a base de glifosato, proporcionado uma boa cobertura (palhada) para o plantio de soja novamente. Informações de produtores citam que a produção de grãos, em área de braquiárias, tem apresentado melhores rendimentos do que a produção de grãos em área exclusivamente agrícola (por exemplo: soja plantada em área de soja).

CLASSIFICAÇÃO BOTÂNICA

Família
Poaceae
Gênero
Brachiaria
Espécie
ruziziensis
Cultivar
Ruziziensis
Nome Comum
Ruziziensis
Propriedade dobra lotação após implantação do capim MG 12 Predão
run
SEMENTES

Propriedade dobra lotação após implantação do capim MG 12 Predão

Sítio São José l MG13 Braúna Matsuda se mantém verde na seca
run
SEMENTES

Sítio São José l MG13 Braúna Matsuda se mantém verde na seca

Conheça o novo cultivar Matsuda MG18 Áries II
run
SEMENTES

Conheça o novo cultivar Matsuda MG18 Áries II

Conheça a segunda geração do cultivar Áries, o MG18 Áries II
run
SEMENTES

Conheça a segunda geração do cultivar Áries, o MG18 Áries II

Origem: Vale do Ruzi no Zaire (Congo) e Burundi

    Nome comum: Ruziziensis

Nome científico: Brachiaria ruziziensis sinonímia: Urochloa ruziziensis

Cultivar: Brachiaria ruziziensis (CIAT 00606, BRA 000281)

Recomendações de solo: Para solos de média a alta fertilidade

Forma de crescimento: Touceira semi - ereta

Altura: 1,50 a 1,70 m

Utilização: Para pastejo direto, fenação e cobertura de solo para plantio direto

Digestibilidade: Boa (50 a 57%)

Palatabilidade: Exelente

Precipitação pluviométrica: Acima de 800 mm anuais

Tolerância à seca: Média

Tolerância ao frio: Boa

Teor de proteína na M.S.: 8 a 11%

Profundidade de plantio: 1 a 2 cm

Ciclo vegetativo: Perene

Produção de forragem: 12 a 15 t/ha/ano de matéria seca (M.S.)

Cigarrinha das pastagens: Susceptível

Consorciação: Todas as leguminosas

UTILIZAÇÃO E MANEJO


A ruziziensis pode ser indicada para bovinos de recria e engorda. Devido a sua qualidade de forragem, além do pastejo direto, pode ser utilizada para prática de fenação. Quando em pastejo direto, deve-se ter muito cuidado, com a altura de pastejo, evitando a sua degradação.

Devido a algumas características, a ruziziensis, deixou de ser utilizada pelos pecuaristas, principalmente a sua susceptibilidade às cigarrinhas e a baixa capacidade de rebrota, principalmente quando superpastejada. Porém, devido a grande capacidade de germinação de suas sementes, principalmente em sobressemeadura, ou seja, plantio em área com outros cultivos (exemplo: em área de soja) e sobre uma cobertura vegetal (palhada para plantio direto), as suas sementes tem sido recomendada por vários técnicos em áreas de plantio direto e em áreas de integração lavoura-pecuária. Diversos agricultores têm utilizado as sementes de ruziziensis, em áreas de cultivo de soja, para cobertura vegetal no período de entressafra da cultura e como pasto para o inverno, mesmo antes da 28 colheita do grão, nos meses de fevereiro e março, utilizando o plantio aéreo, com bons resultados.

A forrageira proporciona excelente cobertura do solo, podendo ser utilizado a área como piquete para os animais durante o período de inverno (entressafra da cultura de soja), e em setembro-outubro as plantas de ruziziensis são “queimadas” com um herbicida a base de glifosato, proporcionado uma boa cobertura (palhada) para o plantio de soja novamente. Informações de produtores citam que a produção de grãos, em área de braquiárias, tem apresentado melhores rendimentos do que a produção de grãos em área exclusivamente agrícola (por exemplo: soja plantada em área de soja).

QUANTIDADE DE SEMENTES NO PLANTIO


Para o cálculo da quantidade desta semente no plantio recomendamos o uso do quadro de Fatores para Brachiaria sp. abaixo e a fórmula:


FATOR  = kg/ha de sementes

   VC



As condições de plantio referem-se ao preparo de solo, as condições climáticas da região (chuva, temperatura do solo e luminosidade), se o solo foi corrigido (calagem) e fertilizado, se há problemas com insetos (formigas, cupins, grilos, gafanhotos, lagartas, cigarrinhas, etc), se há problemas com a infestação de ervas daninhas, etc.


Estas informações deverão ser obtidas com o proprietário para recomendarmos a quantidade necessária de sementes no plantio, assim como a forma em que será plantada.


Por exemplo: condições médias de plantio, utilizando-se uma plantadeira de cereais e sementes com VC de 32%.


FATOR = 280 = 8,75 kg/ha de sementes de VC 32%

   VC        32

ORIGEM


Esta espécie forrageira é nativa do Vale Ruzi no Zaire (Congo) e Burundi. A ruziziensis atualmente está difundida em vários países tropicais. As primeiras sementes vieram de Ruanda, que foram estudadas e disseminadas no Quênia, pelo 27 Institut National pour I’étude Agronomique du Congo Belge (INEAC) em Rubona, nos anos 60, daí se espalhou por todo o continente Africano.


As primeiras sementes que foram para a Austrália (CPI 30623) em 1961 tiveram origem na ilha de Madagascar, da Estación de Agronomia de Lac Alastra, e foram lançadas com o nome comercial “ruzigrass”, no ano de 1966.


Provavelmente este tenha sido o caminho percorrido pelas sementes comercializadas no Brasil, as quais vieram da Austrália. 


CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS


Gramínea perene, rasteira, atingindo até 1,5 m de altura, com rizomas curtos. Colmos decumbentes e geniculados com 3 a 4 mm de diâmetro e dotado de entrenós curtos. Folhas macias com 6 a 15 mm de largura e 10 a 25 cm de comprimento, possuindo aspecto aveludado devido a grande quantidade de pêlos nela presente.


A inflorescência é uma panícula ereta de 5 a 7 racemos. Racemos curtos e com fileiras duplas de sementes, ráquilas aladas e bastante largas, tornando-se uma característica que distingue das outras espécies de braquiária. Espiguetas bifloras, sendo a inferior masculina e a superior hermafrodita.


CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS


A ruziziensis havia desaparecido do mercado pecuário, pois se trata de uma espécie forrageira exigente em fertilidade do solo, sua alta palatabilidade dificulta o manejo, consequentemente a sua rebrota é lenta (pasto superpastejado) e as plantas são altamente susceptíveis aos ataques das cigarrinhas.


Porém algumas características como hábito de crescimento prostrado, susceptibilidade ao glifosato, fizeram desta forrageira uma excelente opção para cobertura de solo para o plantio direto.