MG 12 PAREDÃO

MG 12 Paredão

INDICAÇÃO

A cultivar MG12 Paredão,por sua qualidade nutricional e excelente produção de forragem, é recomendada para a produção de leite e carne, nas fases de cria, recria e engorda. O início do pastejo deve ocorrer com plantas na altura de 80 a 90 cm, ou com idade máxima de 28 dias de descanso, durante o período chuvoso. A saída dos animais deve ocorrer quando a altura das plantas atingir entre 20 a 25 cm do solo. Nesta altura ocorre a presença de joçal (na base da planta), fator que evita o consumo pelos animais.

Propriedade dobra lotação após implantação do capim MG 12 Predão
run
SEMENTES

Propriedade dobra lotação após implantação do capim MG 12 Predão

Sítio São José l MG13 Braúna Matsuda se mantém verde na seca
run
SEMENTES

Sítio São José l MG13 Braúna Matsuda se mantém verde na seca

Conheça o novo cultivar Matsuda MG18 Áries II
run
SEMENTES

Conheça o novo cultivar Matsuda MG18 Áries II

Conheça a segunda geração do cultivar Áries, o MG18 Áries II
run
SEMENTES

Conheça a segunda geração do cultivar Áries, o MG18 Áries II


Nome científico: Panicum maximum   

sinonímia: Megathyrsus maximus 

Cultivar: MG12 Paredão

Origem: Genética Matsuda

Material protegido: Certificado n° 20150086 até 08.12.2029

Recomendações de solo: para solos de alta fertilidade 

Utilização: para pastejo direto e silagem

Produção de forragem: 30 a 35 t/ha/ano de matéria seca (M.S.)

Teor de proteína na M.S.: 10 a 16% 

Altura de planta: de 1,80m a 2,00m

Digestibilidade “in vitro”: 55 a 59% 

Palatabilidade: Excelente

Tolerância à seca: Alta

Tolerância ao frio: Média

Teor de proteína: 7 a 16% na ms (matéria seca)

Produção de forragens: 30 a 35 t/ha/ano de matéria seca

Ciclo vegetativo: Perene

Cigarrinha das pastagens: Tecnicamente tolerante, devido à antibiose e a presença de joçal na base

Utilização e Manejo

Por sua qualidade nutricional e excelente produção de forragem, é recomendada para a produção de leite e carne, nas fases de cria, recria e engorda. O início do pastejo deve ocorrer com plantas na altura de 80 a 90 cm, ou com idade máxima de 28 dias de descanso, durante o período chuvoso. A saída dos animais deve ocorrer quando a altura das plantas atingir entre 20 a 25 cm do solo. Nesta altura ocorre a presença de joçal (na base da planta), fator que evita o consumo pelos animais


ORIGEM


Material proveniente da Matsuda Genética, que iniciou os trabalhos de seleção em 2004. Foram realizadas diversas recombinações e seleção de plantas com boa produção de forragem e tolerância aos ataques de cigarrinhas, inclusive a da cana-de-açúcar (Mahanarva fimbriolata).


CARACTERÍSTICAS AGRÔNOMICAS

Exigente em fertilidade do solo, planta cespitosa, intenso perfilhamento basal, folhas largas, com excelente produção de forragem e nos ensaios realizados não verificou-se presença de ninfas e adultos de cigarrinhas.


CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS


Gramínea de ciclo perene, plantas formando touceiras de crescimento ereto, com intenso perfilhamento basal, colmo com diâmetro médio, internódios médios a longos (22,25 cm) e sem cerosidade. Folhas com pilosidade na bainha, com arquitetura arqueada, lâmina foliar comprida e larga, de coloração verde escura, sem apresentar pilosidade. Apresenta joçal na base da planta.


MAIS INFORMAÇÕES

A cultivar MG12 paredão, tem como principal característica a alta produção de forragem, com folhas bastante compridas e largas, quando comparada à mombaça. Apresenta rebrota vigorosa, rápida e uniforme, além de boa tolerância à seca, quando comparada a outras cultivares de panicum existentes no mercado.


Outra característica importante é a alta palatibilidade, resultando em altas produções de carne e leite. durante os anos de testes sob pastejo e de corte, não foi verificado sintomas de ataques nas plantas, e muito menos a presença de ninfas e adultos de cigarrinhas. 


A explicação técnica para este fato é a ocorrência de antibiose e a maciça presença de joçal na base das plantas, o que, acredita-se, confere a esta cultivar determinada tolerância ao ataque desse inseto. A presença do joçal também contribui no manejo da forrageira, evitando o superpastejo pelos animais.


É recomendada tanto para pastejo direto como para corte, bem como, em face da grande quantidade de folhas, para silagens.