JAVA

Java

INDICAÇÃO

Planta adaptada às regiões com mais de 900 mm de chuvas anuais, sensível à geada, apresenta baixa palatabilidade, fator que auxilia na persistência. Planta bastante vigorosa, tolera bem a seca e possui vagens deiscentes. Recomendada em consorciação com todas as gramíneas forrageiras, inclusive com a humidícola.

CLASSIFICAÇÃO BOTÂNICA

Família
Fabaceae
Gênero
Macrotyloma
Espécie
axillare
Cultivar
Java
Nome Comum
Java
Propriedade dobra lotação após implantação do capim MG 12 Predão
run
SEMENTES

Propriedade dobra lotação após implantação do capim MG 12 Predão

Sítio São José l MG13 Braúna Matsuda se mantém verde na seca
run
SEMENTES

Sítio São José l MG13 Braúna Matsuda se mantém verde na seca

Conheça o novo cultivar Matsuda MG18 Áries II
run
SEMENTES

Conheça o novo cultivar Matsuda MG18 Áries II

Conheça a segunda geração do cultivar Áries, o MG18 Áries II
run
SEMENTES

Conheça a segunda geração do cultivar Áries, o MG18 Áries II

Nome comum: Java

Nome científico: Macrotyloma axillare

Cultivar: Java

Origem: Indonésia (Ilha de Java) selecionada pela Matsuda

Registro no SNPC/MAPA: 16167

Cultivar protegida: nº 00605 de 12.07.04 

Certificado de Proteção: 00605

Recomendações de solo: Para solos de baixa fertilidade 

Forma de crescimento: Trepadeira volúvel (enrola nas gramíneas)

Altura: Em torno de 40cm

Utilização: Para ser utilizado em pastejo direto consorciado com gramínea forrageira

Digestibilidade: Alta

Palatabilidade: Média e baixa (favorece a persistência)

Precipitação pluviométrica: Acima de 900 mm anuais

Tolerância à seca: Boa

Tolerância ao frio: Média

Teor de proteína na M.S.: 18 a 23% 

Profundidade de plantio: 2,0cm

Ciclo vegetativo: Perene

Produção de forragem: 5 a 9 t/ha/ano de matéria seca (M.S.)

Solos úmidos: Requer solos bem drenados

Consorciação: Com gramíneas, principalmente dos gêneros Brachiaria sp. e Panicum maximum

UTILIZAÇÃO E MANEJO


Planta adaptada às regiões com mais de 900 mm de chuvas anuais, sensível à geada, apresenta baixa palatabilidade, fator que auxilia na persistência.

Planta bastante vigorosa, tolera bem a seca e possui vagens deiscentes. Recomendada em consorciação com todas as gramíneas forrageiras, inclusive com a humidícola

QUANTIDADE DE SEMENTES NO PLANTIO



Para o estabelecimento da leguminosa Java em associação com as gramíneas, recomendamos que seja utilizada 2kg/ha de sementes. Não recomendamos o uso de Java em plantio solteiro, ou seja, como banco de proteína devido a sua baixa palatabilidade.

        Estas sementes devem ser misturadas às sementes de gramíneas antes do plantio, procurando uniformizar muito bem esta mistura, para que a germinação seja uniforme e tenha a presença da Java em toda a área.

 

        No caso de se implantar as sementes de Java em um piquete já estabelecido, a recomendação é a seguinte:

Promover o sobrepastoreio ("rapar") da área, rebaixando o máximo possível a pastagem existente. Este procedimento deverá ocorrer antes do período chuvoso.

Com a normalização do período chuvoso, com boa intensidade luminosa e calor promover o plantio das sementes de leguminosa nesta área (4 kg/ha).

Este plantio poderá ser feito de várias maneiras. Uma das maneiras é utilizando uma plantadeira de plantio direto. Outra maneira é o plantio manual com a ajuda de uma matraca. Em ambos os casos a profundidade de plantio deverá ser em torno de 2 a 3cm.

A terceira maneira de se promover este plantio é fazendo o plantio a lanço, utilizando-se um aplicador de calcário (ex. Vicon, Lancer, etc) ou mesmo manualmente. Neste caso o plantio deverá ocorrer obrigatoriamente com o solo molhado. A incorporação destas sementes é de suma importância e poderá ser feita através de animais. Com ajuda de dois ou três campeiros, pegue um lote de animais com 300 a 400kg e caminhe na área sobre as sementes, fazendo com que as patas destes animais incorporem as mesmas.

Como o pasto está rapado devido o sobrepastoreio, as plantas irão demorar em rebrotar e este é o tempo necessário para que as sementes da Java germinem, originando novas plantas que transformarão o piquete solteiro em uma área associada.

ORIGEM


Resultado do cruzamento artificial entre as cultivares Guatá (IZ) e Archer (Australiano), feito pela Matsuda em 1999 



CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS


Leguminosa de ciclo perene, herbácea, trepadeira volúvel, com ramos de fina pubescência, folhas trifoliadas, com folíolos elípticos de 6,1 cm de comprimento e 3,5 cm de largura e levemente pubescente em ambas as faces.

Inflorescência racemosa com flores de cor amarela pálida



CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS



Planta adaptada a clima tropical e subtropical com precipitação acima de 900mm anuais, sensível a geada, recuperando-se bastante bem após a ocorrência da mesma.

        Outra característica importante desta leguminosa é sua boa adaptação a solos de baixa fertilidade, arenosos e ácidos, porém responde muito bem a adubação e em solos de boa fertilidade.

        Apresenta palatabilidade média a baixa, fator que auxilia na persistência da leguminosa, principalmente em associações com gramíneas e cresce em qualquer tipo de solo, desde que bem drenados.

        Tolera bem a seca e responde a adubação de fósforo e potássio. Planta bastante vigorosa e agressiva, produz flores e sementes durante todo o ano, concentrando o florescimento em junho.

        As vagens são deiscentes e elásticas e na maturação "atiram" as sementes às distâncias consideráveis (até 1m), promovendo uma expansão natural do cultivar na área. O potencial de produção de sementes é em torno de 350 a 500 kg/ha/ano.

        A Java produz mais biomassa que o cultivar australiana Archer (5 a 6t/ha/ano), sendo mais tolerante a ataques de nematóides. Outra importante característica desta leguminosa é a sua classificação como promíscua para Bradyrhizobium, isto é, utiliza-se de qualquer bactéria do solo para fixar nitrogênio.