HUMIDÍCOLA, QUICUIO

Humidícola, Quicuio

INDICAÇÃO

O crescimento inicial lento desta gramínea, após a germinação, exige um manejo cuidadoso nos primeiros pastejo, para assegurar o estabelecimento da pastagem. O primeiro pastejo deve ser efetuado de forma suave para estimular o perfilhamento e o enraizamento dos estolões. A humidícola perde a qualidade nutricional, mais rapidamente que outras braquiárias, quando manejada com maiores intervalos de utilização (pasto maduro, passado).

Este pasto deve ser utilizado com altas cargas animais ou com maior frequência, permitindo assim a melhoria da qualidade do alimento disponível, porém com menor produtividade de forragem, uma vez que o pasto não recupera totalmente. Nas pastagens de humidícola ocorre uma baixa taxa de mineralização do nitrogênio. Em solos deficientes de matéria orgânica e de baixa fertilidade, a pastagem apresenta baixo conteúdo de proteína, principalmente na época seca do ano, fato que limita o consumo e os rendimentos animais. De modo geral a humidícola suporta cargas animais altas.

A altura de entrada na pastagem deve ser de 20 a 30 cm e a saída com 10 cm. Recomendado para cria e recria e pode ser consumida por equinos e ovinos, porém deve-se suplementar estes animais com cálcio, devido à presença de oxalatos.

CLASSIFICAÇÃO BOTÂNICA

Família
Poaceae
Gênero
Brachiaria
Espécie
humicola
Cultivar
Humídicola
Nome Comum
Humídicola
Propriedade dobra lotação após implantação do capim MG 12 Predão
run
SEMENTES

Propriedade dobra lotação após implantação do capim MG 12 Predão

Sítio São José l MG13 Braúna Matsuda se mantém verde na seca
run
SEMENTES

Sítio São José l MG13 Braúna Matsuda se mantém verde na seca

Conheça o novo cultivar Matsuda MG18 Áries II
run
SEMENTES

Conheça o novo cultivar Matsuda MG18 Áries II

Conheça a segunda geração do cultivar Áries, o MG18 Áries II
run
SEMENTES

Conheça a segunda geração do cultivar Áries, o MG18 Áries II

Origem: Leste e Sudeste da África Tropical

Nome comum: Humidícola, Quicuio    

Nome científico: Brachiaria humidicola sinonímia: Urochloa humidicola 

Cultivar: Brachiaria humidícola (CIAT 679, CPI 16707)

Recomendações de solo: Para solos de baixa fertilidade, tolera acidez, solos arenosos e inclusive solos alagados

Forma de crescimento: Estolonífera

Altura: Até 1,0m

Utilização: Para pastejo direto ou fenação

Digestibilidade: Média a baixa

Palatabilidade: Média a baixa

Precipitação pluviométrica: Acima de 700 mm anuais

Tolerância à seca: Alta

Tolerância ao frio: Média

Teor de proteína na M.S.: 3 a 6%

Profundidade de plantio: 1 a 2 cm

Ciclo vegetativo: Perene

Produção de forragem: 8 a 10 t/ha/ano de matéria seca (M.S.)

Cigarrinha das pastagens: Tolerante

Solos encharcados: Alta tolerância

Consorciação: Puerária, calopogônio e Arachis

UTILIZAÇÃO E MANEJO


O crescimento inicial lento desta gramínea, após a germinação, exige um manejo cuidadoso nos primeiros pastejo, para assegurar o estabelecimento da pastagem. O primeiro pastejo deve ser efetuado de forma suave para estimular o perfilhamento e o enraizamento dos estolões. A humidícola perde a qualidade nutricional, mais rapidamente que outras braquiárias, quando manejada com maiores intervalos de utilização (pasto maduro, passado).

Este pasto deve ser utilizado com altas cargas animais ou com maior frequência, permitindo assim a melhoria da qualidade do alimento disponível, porém com menor produtividade de forragem, uma vez que o pasto não recupera totalmente.

Nas pastagens de humidícola ocorre uma baixa taxa de mineralização do nitrogênio. Em solos deficientes de matéria orgânica e de baixa fertilidade, a pastagem apresenta baixo conteúdo de proteína, principalmente na época seca do ano, fato que limita o consumo e os rendimentos animais. De modo geral a humidícola suporta cargas animais altas. A altura de entrada na pastagem deve ser de 20 a 30 cm e a saída com 10 cm. Recomendado para cria e recria e pode ser consumida por equinos e ovinos, porém deve-se suplementar estes animais com cálcio, devido à presença de oxalatos.

QUANTIDADE DE SEMENTES NO PLANTIO


Para o cálculo da quantidade desta semente no plantio recomendamos o uso do quadro de Fatores para Brachiaria sp. abaixo e a fórmula:


FATOR  = kg/ha de sementes

  VC




As condições de plantio referem-se ao preparo de solo, as condições climáticas da região (chuva, temperatura do solo e luminosidade), se o solo foi corrigido (calagem) e fertilizado, se há problemas com insetos (formigas, cupins, grilos, gafanhotos, lagartas, cigarrinhas, etc), se há problemas com a infestação de ervas daninhas, etc.

        Estas informações deverão ser obtidas com o proprietário ou o administrador, pois são estas pessoas que conhecem melhor a região, para recomendarmos a quantidade necessária de sementes no plantio, assim como a forma em que será plantada. Por exemplo: condições péssimas de plantio, utilizando-se uma distribuidora de calcário e sementes com VC de 25%.


FATOR = 380 = 15,2 kg/ha de sementes de VC 25%

   VC        25

ORIGEM


Cresce de forma nativa na África Equatorial, foi introduzida na Austrália com o no CPI 16707 em 1952, proveniente da Estação Experimental Rietondale, em Petroria – África do Sul. Depois foi levado para Nova Guné, Fiji até chegar ao continente americano

CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS


Gramínea perene, estolonífera, de hábito de crescimento semiereto a prostrado, os entrenós superiores medem de 8 a 10 cm de comprimento e os inferiores de 2 a 3 cm, são glabros e de cor verde claro. As nervuras das folhas carecem de pilosidade. Os estolões são fortes, longos, de cor púrpura e enraízam com facilidade. As folhas são lineares, lanceoladas, semicoreáceas, com o ápice acuminado. As folhas dos talos têm de 10 a 30 cm de comprimento e de 0,5 a 1,0 cm de largura. As folhas dos estolões têm 2,5 a 12 cm de comprimento e de 0,8 a 1,2 cm de largura.

A inflorescência é terminal, racemosa, com 1 a 4 racemos de 3 a 5 cm de comprimento. As espiguetas são unisseriadas, bifloras, alternadas ao largo da raque com pedicelos curtos e medem de 5 a 6 mm de comprimento. Tem crescimento estolonífero, com grande número de gemas rente ao solo, o que explica sua tolerância a manejo baixo e intenso, suportando altas cargas animais, apresenta cobertura densa, é agressiva e de difícil consorciação com leguminosas. Recomendamos neste caso o Arachis pintoi, a Java e a Puerária. 


CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS


Esta forrageira é hospedeira de cigarrinha-daspastagens (Notozulia entreliana e Deois flavopicta) mas tolera seus ataques, pode ser semeada em áreas com problema de drenagem e alagamento. Pouco exigente em fertilidade de solo. As suas sementes apresentam alta porcentagem de dormência, o aquecimento auxilia na sua germinação.