GUANDÚ

INDICAÇÃO


CLASSIFICAÇÃO BOTÂNICA

Família
Lefuminosae
Gênero
Cajanus
Espécie
cajan
Cultivar
guandú
Nome Comum
Guandú
SEMENTES

Dicas de plantio

SEMENTES

Dia de Campo - Coopermota

SEMENTES

Vantagens da MG13 Braúna

SEMENTES

MG12 Paredão Faz. Santa Clara do Timbé


Fertilidade do solo: Baixa, média e Alta

Forma de crescimento: Arbustivo

Altura: 2 a 3 m

Utilização: Pastoreio, banco de proteína, adubo verde

Digestibilidade: Muito boa

Palatabilidade: Muito boa

Precipitação pluviométrica: Acima de 500 mm anuais

Tolerância à seca: Alta

Tolerância ao frio: Média

Teor de proteína: 10 a 14% na MS (Matéria Seca)

Consorciação: Depende da finalidade

Profundidade de plantio: 3 a 4 cm

Ciclo vegetativo: Anual, bianual ou semiperene até 3 anos

Produção de forragem: 8 a 14 t MS/ha/ano

Fixação de Nitrogênio: 90 kg/ha/ano

VANTAGENS


O guandú é uma planta com capacidade de fixar elevada quantidade de nitrogênio e produzir uma fitomassa bastante satisfatória. 

Pode ser empregado:

-  Como adubação verde;

-  Em rotação e associação de cultivos;

-  Em consorciação com gramíneas anuais;

-  Em cultivo intercalar a culturas perenes (café, frutíferas);

-  Como banco de proteína;

-  Na alimentação animal (pastejo, corte da planta verde, silagem e fenação);

-  Na produção de grãos (alimentação animal e alimentação humana).


É uma planta que apresenta sistema radicular com grande capacidade de reciclar nutrientes no solo. Sua raiz pivotante, A sua forragem, bastante apreciada pelos animais, apresenta, na fase de florescimento, teores que variam de 10 a 16% de proteína bruta.

As variedades de porte anão possuem caule tenro, razoável uniformidade de maturação e boa adaptabilidade, além das facilidades para a colheita mecanizada. O manejo do guandu-anão para adubação verde deve ser entre 90 a 100 dias. O ciclo completo é de aproximadamente 140 dias.

ORIGEM


Da África Tropical Ocidental e cultivado na Índia desde a antigüidade.


CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS


Leguminosa arbustiva com folhas alternadas trifolioladas; folíolos largos e ovais (oblonco-elípticos), folíolo terminal peciolado, enquanto que os laterais são sésseis; pubescência acentuada em todos os folíolos, de coloração verde-escura (da parte posterior) e acinzentadas (parte anterior); inflorescências em racemos menores que as folhas, formando panículas sobre pedúnculos erguidos; flores amarelas ou amarelas com estrias castanhas e com várias sementes (4 a 7). Sementes de coloração variável: marrom (claro, escuro), acinzentada, às vezes com pintas avermelhadas, creme, roxa. Facilidade de polinização cruzada.


CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS


Planta anual, bianual ou semiperene, atingindo de dois a três anos quando podada anualmente, que cresce bem em solos tropicais e subtropicais, com bastante resistência à seca. Temperaturas médias mais favoráveis entre 20 e 30º C. Requer ao menos 500 mm anuais de precipitação. Algumas variedades têm apresentado certa resistência ao frio, embora não suportem geadas fortes. É planta de dias longos (fotoperíodo longo). 


Tem apresentado bom desenvolvimento em solos arenosos e argilosos. Não tolera umidade excessiva nas raízes. É pouco exigente quanto à fertilidade, desenvolvendo-se em solos com pH de 5,0 a 6,0. Condições de elevada fertilidade repercutem em altas produções de fitomassa. É planta rústica que pode ser utilizada como adubação verde, produtora de grãos ou forrageira rica em proteínas para a alimentação animal.


É recomendável o plantio a partir de setembro até dezembro nos locais onde ocorrem geadas em abril/maio; e locais onde não ocorrem geadas pode ser plantado até o mês de março. Em condições de baixa temperatura(-3º C) perde as folhas e em condições mais extremas pode morrer.

O plantio poderá ser exclusivo ou consorciado com milho, mandioca, etc. ou ainda, intercalado às frutíferas (Citrus, macieira, etc.) e a outras culturas perenes.


O plantio em linha e sozinho, normalmente recomenda-se um espaçamento de 40 a 60 cm, com 15 a 20 sementes por metro linear, o que representa 50 a 70 kg de sementes/ha e consorciado usar espaçamento de 0,7 a 1,5 m entre linhas, com 10 a 18 sementes/m com 20-50 kg/ha. Quando a lanço, a quantidade de sementes poderá ser um pouco maior. No plantio com matraca, recomenda-se 2 a 3 sementes por cova, espaçadas em 20 cm uma da outra, com 25 kg/ha. Para consorciar com forrageira colocar 1,5 m entre linhas e 0,5 m entre plantas e 2-3 sementes por cova. O peso das sementes é de 134 gramas.

Há possibilidades do ataque da lagarta das folhas e flores (Heliothis virescens) e das vagens (Acanthoscelides obtectus); em termos de doenças, algumas plantas poderão sofrer ataques de Fusarium sp.

-  Para adubação verde, as plantas deverão ser manejadas no florescimento (140 a 180 dias) com roçadeira, rolo-faca ou incorporação pela aração;

-  Para alimentação animal, segundo Seiffert e Salerno (1.986), os trabalhos experimentais de manejo para corte grande têm indicado que as melhores produções de forragem são obtidas quando a planta é colhida a cada 30 dias e o corte efetuado de 40 a 60 cm acima do solo (altura do joelho). Esse processo garante que ocorra abundante rebrota após cada colheita de forragem.

-  Caso sejam plantados cultivares de guandú de porte alto (2,0 a 3,5 m) entre

as fruteiras, em função da competição por luz, recomenda-se que, ao atingirem 1,0 a 1,2 m, se faça um corte de 15 a 20 cm na extremidade superior. Repete-se essa operação por 3 a 4 vezes e, após o último corte, a massa vegetal deverá, preferencialmente, ser deixada na superfície como cobertura morta.

Para produção de semente deve-se utilizar um espaçamento de 0,6 a 1,5 m entre linhas com 10 a 15 sementes por metro linear. Plantando-se preferencialmente em janeiro, há uma tendência do lenho ficar mais fino facilitando a colheita mecânica.

A maturação do guandú normalmente não é uniforme. Pode ser colhido através de automotriz (plantas de caules não muito grossos). Os cultivares de porte anão poderão ser colhidos mecanicamente sem qualquer problema. A colheita das vagens poderá, em algumas situações, ser manual. Posteriormente são secas em terreiros e trilhadas ou beneficiadas através da golpes de "mangual" ou haste de madeira, ou do movimento de vaivém de trator de pneu sobre as vagens.

Produz em torno de 1.000 a 2.000 kg de semente/ha e pode ser armazenadas em condições ambientes por mais ou menos 1,0 a 1,5 ano.

Topo